EQUINOS

Selênio na Nutrição de Cavalos e sua Correlação com a Aerofagia

30/10/2019

Por Drª Kátia Feltre

Zootecnista e Doutora em Nutrição e Produção Animal (CRMVZ/SP 03750)

Supervisora Técnica de Vendas – Qualy Nutrição Animal

Você já ouviu falar sobre aerofagia em cavalos? E sobre a importância do Selênio na nutrição equina? Nesse artigo vamos esclarecer alguns pontos sobre eles e comentar sobre as estratégias de algumas empresas para chamar a atenção dos clientes.

O Selênio (Se) é um mineral-traço essencial para a saúde dos animais e exigido em pequenas quantidades na dieta. Para os cavalos, a forragem é a principal fonte desse mineral, porém, seu consumo depende das quantidades disponíveis no solo onde essa forragem é cultivada. Nos solos brasileiros a concentração de Se é considerada baixa em algumas regiões. Dessa forma, a inclusão de alimentos concentrados e o uso de um bom sal mineral complementam essa deficiência e ajudam a suprir as necessidades diárias dos cavalos.

O Selênio (Se) tem um papel essencial no metabolismo do hormônio tireoidiano, pois a enzima envolvida na triiodotironina (T3) é uma selenoenzima localizada na glândula tireoide. Como cofator da enzima glutationa peroxidase, amplamente distribuída pelo organismo, atua como antioxidante biológico que permite a captura de radicais livres. Mas o que são esses tais “radicais livres”? São substâncias oxidantes (átomos, moléculas ou íons) com instabilidade elétrica e grande capacidade de reação com qualquer composto que esteja próximo, seja ele uma molécula, uma célula, ou tecido do organismo, a fim de captar um elétron desse composto para sua estabilização. Essa reação em cadeia gera lesões e danos à integridade das membranas celulares. Para cavalos que praticam algum tipo de trabalho, o consumo de oxigênio durante o exercício induz o aumento proporcional da produção de radicais livres que podem resultar em estresse oxidativo e fadiga muscular. Por isso, cavalos atletas apresentam maior exigência de Se e de outros nutrientes antioxidantes, como a vitamina C e a vitamina E.

A aerofagia é um vício, geralmente adquirido, comum em cavalos estabulados, os quais passam boa parte do tempo em ócio. Consiste em apoiar os dentes incisivos em um objeto fixo e realizar um movimento de arqueamento e flexão do pescoço, com o engolimento do ar. Com o tempo, ocorre desgaste dos dentes incisivos, perda de peso e hipertrofia dos músculos ventrais do pescoço, além de desvalorização do animal. Além da aerofagia, alguns comportamentos incomuns, como a coprofagia, geofagia e mastigação de madeira, foram correlacionados com a dieta (em termos de proporção de volumoso e concentrados), forma física do alimento (se processado ou não) e frequência de alimentação. Weise e Lieb (2001) avaliaram se uma dieta pobre em proteína, uma pobre em energia e uma pobre em proteína e energia poderia induzir a ingestão de areia em cavalos. Os autores concluíram que não houve correlação entre a dieta e o comportamento. Porém, o efeito individual de cavalos foi altamente significativo. Isso reforça a ideia da individualidade em cavalos, ou seja, alguns podem desenvolver comportamentos anormais e outros não.

Mas o que o Se tem a ver com a aerofagia? Recentemente, um grupo de pesquisa explorou a hipótese de que o status oxidativo do cavalo pode contribuir para o aparecimento de comportamentos anormais. No trabalho de Omidi et al. (2017 e 2018) os autores reportaram que a concentração de Se sérico, a capacidade antioxidante total, as atividade das enzimas superóxido dismutase, glutationa peroxidase e catalase, foram maiores nos cavalos do grupo controle (grupo 3: sem comportamentos anormais) em relação aos demais grupos (grupo 1: cavalos que praticam aerofagia e permanecem 30 minutos sem comportamento anormal; e grupo 2: cavalos durante ou imediatamente após os eventos de aerofagia). Porém, como os próprios autores citam no artigo, as informações devem ser utilizadas com cautela, visto que os resultados ficaram aquém do valor estatístico corrigido e, na ocasião, foram observadas apenas as respostas fisiológicas ao distúrbio e não o efeito da suplementação com antioxidantes. Sendo assim, não há comprovação científica sobre a eficiência da suplementação com Se e outros antioxidantes na prevenção da aerofagia, ou que a deficiência de Se e outros antioxidantes na dieta possa induzir a esse distúrbio comportamental. O ideal é alimentar o seu cavalo corretamente com produtos de qualidade. Sendo assim, não se deixe enganar! Escolha um produto seguro e que possui a dose certa de nutrientes para o seu animal. E isso a Qualy garante pra você!

Bibliografia Consultada:

FARIA, L.A. e CARP, F.H.S. 2015. Selênio: um elemento essencial ao homem e aos animais e benéfico às plantas. Disponível em http://www.ipni.net/publication/ia-brasil.nsf/0/67463FD70C95D9E983257E200065D187/$FILE/Page17-22-149.pdf

Kentucky Equine Research. 1999. Selenium for Horses: How Important Is It? Disponível em: https://ker.com/equinews/selenium-horses-how-important-it-0/?highlight=selenium

KUSS, F. 2005. Agentes oxidantes e antioxidantes. Disponível em: https://www.ufrgs.br/lacvet/restrito/pdf/ag_oxid_antioxid.pdf

STEINER, D.; ALBERTON, L. R.; MARTINS, W. D. C. 2013. Aerofagia em equinos: revisão de literatura. Arq. Ciênc. Vet. Zool. UNIPAR, Umuarama, v. 16, n. 2, p. 185-190. Disponível em: https://doi.org/10.25110/arqvet.v16i2.2013.4512

Nutrient Requirement of Horses, NRC. 2007. Disponível em: https://www.nap.edu/read/11653/chapter/13#212

OMIDI, A.; JAFARI, R.; NAZIFI, S.; PARKER, M.O. 2018. Potential role for selenium in the pathophysiology of crib-biting behavior in horses. J Vet Behav, 23, 10-14. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jveb.2017.10.003

OMIDI, A.; VAKILI, S.; NAZIFI, S.; PARKER, M.O. 2017. Acute-phase proteins, oxidative stress, and antioxidant defense in crib-biting horses. J Vet Behav, 20, 31-36. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jveb.2016.06.005